O Zumbicast Brasil traz uma entrevista EXCLUSIVA com o autor Anders de la Motte, da trilogia The Game, que teve o primeiro livro publicado pela Darkside Books.

o-jogo-darkside-the-game-capa

ZC: Você tem muita experiência com segurança e até onde o público sabe, sempre esteve envolvido com tecnologia. O que fez arriscar em escrever livros?

Anders: Trabalhei oito anos como policial e quase doze como gerente de segurança de duas companhias que estavam entre a Fortune 500, então passei quase vinte anos lidando ou tentando lidar com os problemas dos outros. A idéia de escrever veio do meu interesse por literatura e leitura (minha mãe é bibliotecária), mas não foi até que minha esposa sugeriu que eu escrevesse algo eu mesmo, que tive a coragem de tentar. Então ao invés de passar o tempo de viagens lendo ou assistindo CNN no meu hotel, eu comecei a escrever estórias. Na terceira tentativa surgiu um perdedor malandro chamado HP e as coisas evoluíram daí.

Faz três anos que fui sortudo o suficiente para poder lidar exclusivamente com meus próprios problemas ou aqueles dos meus personagens. 🙂 P.S: A carinha feliz é do autor.


ZC: A escrita sueca é muito agitada, às vezes o leitor precisa ler com muita atenção para não se perder nas informações escritas. Foi proposital a interatividade entre a história da Rebecca e do HP? Ela segue até o final do livro praticamente!

Anders: Eu sou uma pessoa agitada e acho que meu tempo passou para meu jeito de escrever. De fato, às vezes meu editor diz que tenho que desacelerar e dar aos leitores a chance de digerir as coisas um pouco antes de prosseguir 🙂 . Primeiro criei HP, que você sabe, é um personagem chato, irritante, egoísta, além de ter uma linguagem própria. (No entanto, ainda o amo)

Em ordem de não me deixar louco e balancear a estória / linguagem, eu precisava de alguém para ser seu equilíbrio, então “nasceu” Rebecca. HP é meio que a minha criança interior, impulsivo e com necessidade de atenção constante. Rebecca é o meu eu-adulto, a pessoa da segurança que quer estar em controle e checa todas as saídas de emergência de um hotel antes de fazer o check-in.

Não consigo imaginar a estória com um deles faltando.

ZC: Você recebeu uma edição de seu livro que foi publicado pela DarkSide books no Brasil, o que achou? Em nosso país, muitos seguidores estão apaixonados pelo universo apresentado em sua história, todos gostariam de participar do jogo.

Anders: Normalmente recebo uma ou duas cópias de cada edição dos meus livros e mantenho em uma estante no meu escritório para apaziguar meu HP interior. (Chamo de minha estante-ego :).

É muito interessante como as capas variam nos mais de trinta países que até agora foi publicada a trilogia. Acho que a Darkside Books fez um ótimo trabalho com as edições brasileiras e estou muito feliz que os leitores brasileiros tenham levado HP, Becca e O Jogo em seus corações.

ZC: O que você faria se realmente fosse chamado para participar dele? Toparia? E o por quê?

AndersHaha, já recebi essas perguntas algumas vezes e parte de mim sempre deseja que eu teria clicado no SIM, mas a verdade é que sou muito mais a Rebecca e sua segurança para fazer parte de um risco desses. Então eu provavelmente clicaria NÃO, mas nunca se sabe, há um HP em mim em algum lugar e algumas vezes ele leva a melhor…

ZC:  Sabemos que você sempre trabalhou com segurança, alguma situação escrita em The Game aconteceu na vida real?

AndersCertamente usei minha experiência nos livros, mais para tentar criar o sentimento de credibilidade e autenticidade em algumas partes da estória. Por exemplo, os guardas reais que HP interrompe foi uma situação real na polícia, e as portas do apartamento que ele picha eram do meu velho apartamento em Estocolmo. A maior parte dos procedimentos policiais mencionados são reais até alguns oficiais existem na vida real (são amigos meus).

Mais à frente na trilogia, os leitores verão, entre outras coisas, um encontro durante um safári deserto em Dubai, uma área escondida na maioria das plataformas de metrô que podem ser usadas se pessoas te seguem e um túnel secreto por baixo de Estocolmo, e um cemitério de animais em um dos parques mais famosos nacionalmente. Estes eventos e locações também foram baseados em experiências passadas.

ZC: The Game apresenta ao leitor um universo peculiar. Você pensa em escrever spin-offs do mesmo universo?

AndersNunca se sabe. Nesse momento há um processo de transformar os livros em uma série de TV para o mundo todo e novas idéias estão aparecendo. Entre as coisas que gosto sobre O Jogo é que transforma qualquer ambiente familiar em algo completamente novo e excitante. O campo de jogos onde tudo e todos que você conhece pode ou não fazer parte do Jogo.

ZC: Você pretende vir ao Brasil?

AndersSempre quis visitar seu lindo país e agarrarei a oportunidade de fazê-lo, se convidado.

ZC: O que podemos esperar sobre futuros livros seus?

AndersDepois da Trilogia The Game, comecei um novo projeto chamado “Série MemoRandom“. O primeiro livro de MemoRandom saiu ano passado aqui e a sua sequência, “UltiMatum” será lançada na Suíça em algumas semanas.

A série MemoRandom é um thriller policial com ritmo agitado que envolve vários personagens, entre eles uma fraudadora, um ex-assassino de aluguel, um advogado que virou político e um policial especializado em lidar com os segredos dos outros. Acho que MemoRandom sairá no Brasil ano que vem ■

E é isso aí! Fica de olho que uma edição de The Game vai ser sorteada AQUI no Zumbicast, basta deixar seu comentário neste post e compartilhar de forma pública para conferirmos.

Inclusive, já temos uma resenha no ar! Confere:

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=4XfZdyULJOw”]

trilogia-the-game-banner-o-desafio

Se você for corajoso, participe do desafio #TheGameDarkside.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=M_Ri2oJzmNE”]

Um obrigado especial a Nal pela tradução, o site Jujuba com Pimenta pelo apoio promocional, a Darkside Books, por facilitar a entrevista com o Sr. Anders e seus livros de terror e fantasia com edição sem igual no Brasil, e claro, o próprio Anders por nos iniciar no Jogo.

E você, sobrevivente, toparia o desafio de entrar no Jogo?

Geminiano em todos os aspectos, amante do suspense e mistério em todas as formas do entretenimento. Como um bom fã de Stephen King levo em meu coração as palavras de um pistoleiro a procura do seu Katet. "Eu não mato com a arma; Aquele que mata com a arma esqueceu o rosto do pai. Mato com o coração."