O gótico e macabro Edgar Allan Poe merece destaque no mês em que o macabro reina, tal qual o mês das bruxas, tal qual o mês de seu falecimento. Nasceu em 19 de janeiro de 1809 em Boston, Massachusetts nos Estados Unidos e veio a falecer sob circunstâncias curiosas (e até misteriosas devo dizer) em 7 de outubro de 1849. Chegou apenas aos 40 anos, portanto.

Mas quem foi ele? É provável que este nome não seja estranho a vários ouvidos, pois o escritor estadunidense é citado de forma incansável pelos grandes mestres que dominam as mais diversas formas de arte de hoje em dia, como livros, cinema, quadrinhos, teatro etc.
O escritor foi mestre dos contos policiais e referência em ficção cientifica moderna. O que nos interessa é que o homem era um gênio do terror, influenciando qualquer especialista no ramo dos dias de hoje, até mesmo o lendário Stephen King. As características mais marcantes de Edgar Allan Poe são suas histórias repletas de mistério, terror psicológico, loucura, doenças, assassinatos e sobrenatural. Vários de seus contos misturam esses elementos em algo completamente novo e, devo dizer, perturbador.

Img1

Talvez a marca registrada do autor seja seu poema “Os Corvos”, traduzido aqui no Brasil por ninguém menos do que Fernando Pessoa, o poeta. Se para nós a sua lembrança é tão querida, na época deveria ser odiada, afinal Poe era constantemente associado a uma vida marginal, envolvido com doenças, problemas alcóolicos severos e mal durava em seus empregos. Ler o que ele escreve, sabendo de sua vida problemática, é quase como sondar a superfície de sua mente perturbada.
Suas referências são fortes e nunca me esqueço do perturbador conto da Máscara da Morte Rubra, onde um monarca se tranca em seu abastado castelo com seus nobres enquanto uma terrível doença chamada Morte Rubra destroçava o mundo em volta. Esse conto em específico ajudou a criar parte da mitologia desenvolvida em A Torre Negra, série de Stephen King. Além disso influênciou grandes nomes da literatura, pessoas como Sir Arthur Conan Doyle (sim, o criador de Sherlock Holmes!), Agtha Cristie, Bioy Casares, G.K Chestertan, J.L Borges e incontáveis outros mais. No cinema, suas influências passam da marca de 100 filmes e até hoje vários diretores especializados no tema de suspense, terror e policial tem na cabeça o nosso escritor alcoólatra.
Duas animações interessantes baseadas em seus contos apareceram em minhas pesquisas pela internet. Vale a pena conferir: “O Gato Preto” e “Coração Delator”. A primeira delas é de um homem com sérios problemas de raiva e alcoólatra que assassina seu gato e começa a perceber estranhos eventos sobrenaturais em sua vida. A segunda é de um doido varrido que invade a casa de um pobre velho com planos homicidas.

Entre suas principais obras podemos destacar: Os Assassinatos da Rua Morgue, A queda da Casa de Husher (pessoalmente eu acho este aqui bem perturbado), A Esfinge, O Gato Preto, A Máscara da Morte Rubra, Ligeia, O Demônio da Perversidade, e muitas outras até mesmo difíceis de encontrar. A maioria de suas obras não chega a ser livros, se limitando a contos e novelas. Além disso, escreveu sátiras, contos de humor e “hoaxes”. Claro que isso não tira sua característica marcante, que era o gótico.
Devo deixar aqui minha recomendação máxima para Edgar Allan Poe. Não só por suas obras repletas de mistério e sobrenatural, como por ser ele um dos caras que influenciou os grandes e amados escritores de hoje em dia. Se você gosta de Aghta Cristie, Stephen King por exemplo, passou seu tempo com algum desses caras que citei parágrafos acima, deve ser interessante descobrir o homem que influenciou os gigantes de hoje. Fica aí minha dica aos zumbinaltas!

Img2

Geminiano em todos os aspectos, amante do suspense e mistério em todas as formas do entretenimento. Como um bom fã de Stephen King levo em meu coração as palavras de um pistoleiro a procura do seu Katet. "Eu não mato com a arma; Aquele que mata com a arma esqueceu o rosto do pai. Mato com o coração."